14 de fevereiro de 2013

Mercados: Europa - Abertura

Os principais índices accionistas europeus iniciam a sessão sem uma tendência definida – DAX: -0,07%; CAC: +0,05%; AEX: +0,12% - numa sessão dominada pela divulgação de resultados trimestrais tanto no bloco europeu como norte-americano, ao mesmo tempo que reportes macroeconómicos revelaram que as economias alemã e francesa registaram um recuo do crescimento superior ao antecipado pelos analistas. O sector dos bens de consumo regista hoje a performance mais positiva, com a Anheuser-Busch a avançar 4,80%, após ter anunciado que irá ceder o controlo da Corona nos EUA à Constellation Brands por USD 2,9 mil mn por forma a cumprir os requisitos exigidos pelo regulador no âmbito da operação entre a Anheuser-Busch e o Grupo Modelo. Também as francesas Renault e EDF registam valorizações de 5,49% e 5,20%, respectivamente, após terem divulgado resultados que surpreenderam positivamente os analistas. No pólo negativo, o sector petrolífero é hoje o mais penalizado, com a Total e a Repsol a recuarem 1,09% e 0,50%, respectivamente. Também as retalhistas Delhaize e Metro registam performances negativas, recuando 1,03% e 1,36%, respectivamente, ainda que não se verifique newsflow de relevo que assim o justifique.

O principal índice nacional iniciou a sessão a valorizar 0,40%, uma performance alinhada com os restantes índices europeus. No polo negativo destaque para a Portugal Telecom, que recua 0,1% na sessão, após a empresa ter visto o seu price target ser revisto em baixa por parte de uma casa de investimento internacional. Também o BES negoceia a recuar 0,48% na sessão, movimento que contrasta com os ganhos marginais do BPI que avança 0,08% na sessão, enquanto o BCP negoceia inalterado. No polo positivo realce para a Galp, que avança 0,08%, após a petrolífera nacional ter admitido a possibilidade de reforçar as operações detidas em Angola e Moçambique. A EDP Renováveis regista hoje ganhos de 0,25%, após noticiado que a eléctrica nacional intensificou os protestos contra a decisão do governo espanhol de cortar a remuneração da energia eólica. A ZON negoceia inalterada enquanto a Sonaecom lidera os ganhos na sessão, após a ERC e a Anacom terem recebido o pedido para analisar a fusão da ZON com a Optimus. Uma nota apenas para a EDP, que se encontra suspensa até ao momento, após a Parpública ter avançado com o processo de venda dos 4,144% que detém da EDP, venda essa direccionada a investidores institucionais através de um processo de accelerated bookbuilding.